Embora desconhecido no Brasil, atacante João Paulo é conhecido em Shymkent, cidade onde o time do FC Ordabasy joga como mandante.

Aos 33 anos, o atacante brasileiro João Paulo é um ilustre desconhecido no seu país de origem, mas brilha no Cazaquistão. Ele é o maior artilheiro da história do FC Ordabasy, time que joga o campeonato da primeira divisão - e terminou a temporada passada em quinto lugar.

João Paulo marcou 35 gols em 161 partidas disputadas pela equipe. A despedida aconteceu em junho do ano passado, mês em que ele se transferiu para outro time cazaque: o Kairat Almaty.

Mas o fim do vínculo contratual não apagou a bela história que o brasileiro construiu nas suas duas passagens pelo time. João continua a ser uma figura popular em Shymkent, a terceira cidade mais populosa do Cazaquistão, que é a casa do Ordabasy.

O futebol é o esporte mais amado e praticado pela população de Shymkent, que tem pouco mais de um milhão de habitantes e é um importante entrocamento da ferrovia Turquestão-Sibéria.

Um jornal local diz que "há campos de futebol em todos os bairros e escolas da cidade". Shymkent é também um centro cultural notável, com aeroporto internacional. Só perde em relevância para Almaty e Nursultan.

O time veste uniformes brancos, quando é o mandante; e azuis, quando tem que usar o reserva. O FC Ordabasy, tal qual se conhece hoje, tem apenas 19 anos. Mas a sua raiz genealógica começou a se espraiar pelo solo cazaque em 1949, com a fundação do Dynamo Shymkent.

Atleta do Ordabasy em jogo da Premier Liga, no Cazaquistão (Foto: perfil oficial no Facebook)

Em 1950, o Dynamo passou a se chamar Yenbek. A partir de 1951, adotou o nome de Metallurg. Trinta anos depois, em 1981, o clube decidiu que seria conhecido como Meliorator - e assim foi até junho de 1992, quando o nome escolhido foi Zhiger. Em 1993, a equipe incorpora o nome de Ordabasy, mas em 1998 muda para Tomiris; no ano seguinte, para Sintez; e em 2000, para Dostyk.

Essa novela terminaria em 2003, com Ordabasy sendo escolhido de novo. O atual nome do clube é o mesmo de uma reserva natural que foi palco de importantes episódios da história do país. Foi nas montanhas dessa reserva que os exércitos do Cazaquistão derrotaram frentes invasoras dos povos jungars, na margem dos rios Bulantu e Sari.

Ordabasy é hoje uma valiosa reserva arqueológica e símbolo de valores e lutas cazaques, mas não só isso: é também a marca de um clube que rapidamente conquistou espaço e títulos no futebol Cazaquistão, mas que ainda não desfrutou da glória de ser campeão da primeira divisão nacional.

Em busca da glória

Antes de ser o time que é hoje, o Ordabasy levantou dois troféus de vencedor na segunda divisão do Cazaquistão: um em 1998, na época em que se chamava Tomiris; e outro em 2000, sob a alcunha de Dostyk.

Desde então, a equipe de Shymkent é uma das protagonistas da elite do futebol cazaque. O Ordabasy terminou todos os campeonatos que disputou, de 2011 até 2021, acima da oitava posição. A pior colocação, nesse recorte de tempo, foi o 7º lugar em 2012; e a melhor, a terceira posição em 2017 e 2019.

Em 2021 (com o atacante brasileiro João Paulo em campo), o FCO alcançou 38 pontos e ficou em quinto - atrás de Kyzylzhar, Kairat, Astana e do Tobol. Foram 10 vitórias e 36 gols marcados em 26 jogos. O campeão Tobol chegou a 61 pontos.

Atletas do Ordabasy em jogo da Premier Liga, no Cazaquistão (Foto: perfil oficial no Facebook)

O melhor ano da história do time de Shymkent foi 2011. O Ordabasy sagrou-se campeão da Kazakhstan Cup (que equivale à Copa do Brasil), conquistou o direito de disputar a Supercopa do Cazaquistão contra o campeão nacional e venceu. São, portanto, as duas maiores glórias da breve trajetória do clube.

Elenco

O time manda as suas partidas no estádio Kazhimukan Munaytpasov, com capacidade para receber 20 mil torcedores.

É comandado pelo técnico bielorrusso Aleksandr Sednev, que nunca teve passagem por clubes de projeção na Europa. O plantel está avaliado em 2,58 milhões de euros. Para se ter noção do quanto esse valor é baixo, vale lembrar que o valor de mercado do Palmeiras é de 180 milhões de euros e o do Corinthians, 79 milhões.

O Ordabasy tem 15 jogadores à disposição, com média de idade de 23,3 anos. Três atuam na seleção principal de futebol do Cazaquistão: o goleiro Bekkhan Shaydaza, de 24 anos; o lateral esquerdo Sagadat Tursynnbay, de 22; e o ponta-esquerda Elkhan Astanov, de 21.

No momento, nenhum estrangeiro atua por lá, mas há uma extensa lista de atletas de diferentes nacionalidades que vestiram o uniforme azul e branco do FCO. O país que mais exportou jogadores para o Ordabasy foi a Ucrânia, com 28. Em segundo lugar, a Sérvia, com 15; seguida por Rússia (10), Uzbequistão (8), Brasil (6), Croácia (5) e Geórgia (5).

Em sua história, o time cazaque lucrou pouco com a venda de jogadores para outros clubes. A esmagadora maioria dos futebolistas esperou o fim do contrato para se transferir. Entre as poucas exceções, está a negociação do ponta-direita Erkebulan Tungyshbaev para o Kairat Almaty, na temporada 2018/2019, por 870 mil euros. Foi a mais valiosa até hoje.

Jogadores do FC Ordabasy saúdam torcida (Foto: perfil oficial no Facebook)

Em segundo lugar, está a transação que envolveu o lateral esquerdo Gafurzhan Suyumbaev, nascido no Cazaquistão, também para o Kairat Almaty por 450 mil, na temporada 2016/17. Fecha a lista o centroavante sérvio Nemanja Kojic, hoje com 28 anos, que trocou o Ordabasy pelo Tokyo Verdy na temporada 2018/2019 por 250 mil euros.

Em sentido inverso, o FCO também desembolsou pouco para comprar jogadores. As mais significativas aquisições aconteceram de 2016 para cá. A mais onerosa foi a do meia ofensivo bósnio Mirzad Mehanovic, hoje com 25 anos, que custava 400 mil e que jogava no Fastav Zlin, da República Tcheca. A transação se deu em 2018/2019.

O segundo lugar deste ranking é do, também meia ofensivo, Rúben Brígido. O português trocou o Beroe pelo time do Cazaquistão na temporada 2019/20 por 50 mil euros. Fecha a lista, como a terceira compra mais cara, o búlgaro Preslav Yordanov, que na temporada 2016/17 deixou o CSKA Sofia por 47 mil euros.

Compartilhe esse conteudo