A Gjensidige Kvindeliga também chamada de Elitedivisionen (Divisão de Elite em português) é a liga feminina mais forte da Dinamarca. Com a missão de fazer as “meninas sonharem”, a liga foi desenvolvida pelos próprios clubes em colaboração com a UEFA. O intuito é criar uma competição forte, capaz de revelar novos talentos ao mundo.

Desde a temporada 2019/20, o campeonato é chamado de Kvindeliga. Antes disso, teve uma série de nomes durante sua história, como Danmarksturneringen i damefodbold (entre 1975 até 1980), Dame 1. division (de 1981 até 1992), Elitedivisionen (1993 até 2015-16) e 3F Ligaen para Gjensidige (2016 a 2019).

Manteve os mesmos oito times, que competem não só pelo ouro, mas também por duas vagas na Liga dos Campeões feminina, a UEFA Women's Champions League.

O campeonato é organizado pela Associação Dinamarquesa de Futebol (DBU), como parte do Kvinde-DM, que no sistema de futebol dinamarquês ocupa a primeira divisão. Para participar, os clubes devem atender a uma série de requisitos relacionados às suas instalações e condições financeiras.

Escudo Gjensidige Kvindeliga - créditos da imagem: Kvindeliga

Na temporada 2020/2021, o HB Køge venceu o torneio e sagrou-se campeão dinamarquês pela primeira vez em sua história do clube. O Brøndby IF ficou com o vice-campeonato, enquanto o Fortuna Hjørring ficou com terceiro lugar na competição.

Formato

Entre 1994 a 2006, a liga feminina era formada por oito clubes em um mesmo grupo que se enfrentavam 3 vezes. Era a campeã aquela que acumulasse mais pontos. O último time era rebaixado e o penúltimo disputava um playoff com o vice-campeão da segunda divisão.

Em 2007, houve uma transição porque a liga foi estendida para 10 equipes. Nesta edição, a última colocada disputou uma partida de playoff com a terceira colocada da segunda divisão, enquanto as duas primeiras equipes foram automaticamente promovidas.

De 2007/08 a 2012/13, a liga era composta por 10 equipes, com jogos no sistema de ida e volta na primeira fase. A segunda eram playoffs de dois grupos disputados pelos quatro melhores times. Já os clubes que ficaram entre o quinto e décimo lugar, disputavam o playoff de rebaixamento.

A partir da temporada 2013/14, o campeonato voltou a ser disputado por oito equipes. A temporada regular é composta por 14 rodadas de ida e volta e os seis primeiros colocados passam para a fase em que jogam todos entre si e o time com melhor desempenho é consagrado o campeão.

Atletas da Gjensidige Kvindeliga - créditos da imagem: Kvindeliga

O oitavo colocado na classificação geral é automaticamente rebaixado e o sétimo disputa o playoff com o vice-campeão da segunda divisão.

Um pouco do futebol dinamarquês feminino

Em 1970, o clube de futebol dinamarquês Boldklubben Femina (BK Femina) tornou-se campeão mundial não oficial. Isso deu margem para a popularização do esporte no país, colocando-o em um contexto de luta de dez anos para que o futebol feminino fosse aceito no país.

Inicialmente, foi um ensaio que começou um pouco antes de 1970 com a admissão das mulheres na Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU). A partir de 1972, o esporte começou a se desenvolver, juntamente com os esforços para a aceitação das mulheres.

Em outros países da Europa, como Finlândia e Suécia, já havia federações específicas para o público feminino, o que foi um incentivo para a Dinamarca. Houve um grande passo com a Lei de Discriminação Sexual de 1975, a qual foi redigida com o objetivo de colocar o futebol profissional como um pilar para a igualdade feminina.

Times da Gjensidige Kvindeliga - créditos da imagem: womens soccer united

O pioneiro nas questões de marketing e apoio foi a Nova Zelândia, que a partir de 1973 já incentivava a participação das mulheres nos esportes, sobretudo aqueles dominados pelos homens. O país promoveu entrevistas com as jogadoras, lançou matérias em jornais e revistas, o que mudou a opinião pública e a forma como a mídia percebe a analisa o futebol.

Com isso, veio a Federação Dinamarquesa de Futebol Feminino, a Denmark women's national football team, responsável por promover as equipes, organizar campeonatos e popularizar o esporte no país.

O primeiro campeonato feminino na Dinamarca tendo como organizador a Federação Feminina aconteceu em 1975, com 8 equipes, que disputaram 14 rodadas no total. Na ocasião, o campeão foi o Ribe BK, que também venceu a edição de 1974. O BK Femina foi campeão em 1976.

A seleção dinamarquesa de futebol feminina foi fundada no mesmo ano. Passou algum tempo competindo nos torneios europeus. Sua melhor posição no mundial aconteceu em 1995, quando ficou com o sexto lugar.

Representantes dos times da Kvindeliga - créditos da imagem: Gjensidige Kvindeliga

As melhores colocações no Campeonato Europeu de Futebol Feminino foram dois terceiros lugares em 1991 e 1993. No Torneio Internacional de Futebol Feminino foi vice-campeã nas duas vezes em que participou: em 2011 e 2012.

Atualmente, a DBU (Denmark women's national football team) organiza a Kvindeliga, a Primeira Divisão (1. Divisão), a Série Dinamarquesa (Danmarksserien) (3 grupos) e a Copa Feminina de Futebol (Landspokalturneringen).

Equipes campeãs da Kvindeliga

A seguir, todas as equipes campeãs, incluindo os anos de 1973 e 74 quando ainda não havia uma Federação de Futebol Feminina.

Classificação

Clube

Campeões

Vice-campeão

Temporadas vencedoras

1

Brøndby IF

12

8

2002–03, 2003–04, 2004–05, 2005–06, 2006–07, 2007–08, 2010–11, 2011–12, 2012–13, 2014–15, 2016–17 e 2018–19

2

Fortuna Hjørring

11

21

1994, 1995, 1996, 1998–99, 2001–02, 2008–09, 2009–10, 2013–14, 2015–16, 2017–18 e 2019–20.

3

Hjortshøj-Egaa IF 

10

6

1982, 1984, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1996-97 e 1997-98

4

B 1909

5

5

1981, 1983, 1985, 1992 e 1993

5

Ribe BK 

5

1

1973, 1974, 1976, 1978 e 1979

6

BK Femina

3

4

1975, 1977 e 1980

7

Odense Q

2

0

1999–2000 e 2000–01

8

HB Køge

1

0

2020-21

BK Stjernen Svendborg

0

2


Kolding BK

0

1



Temporada 2021-22

A temporada 2021-22 da Gjensidige Kvindeligaen é a 50ª temporada da maior liga de futebol feminino da Dinamarca. Assim como nos anos anteriores, 8 equipes disputam a competição. Desde 2019 o Gjensidige é o atual patrocinador principal da liga, daí o nome.

Participam da esta edição os seguintes clubes:

  • Aalborg BK
  • Aarhus GF
  • Brøndby IF
  • Fortuna Hjørring
  • Kolding IF
  • HB Køge
  • FC Nordsjælland
  • FC Thy-Thisted Q.
Compartilhe esse conteudo