Equipe ainda luta pelo seu primeiro título de campeã na 1ª divisão

Luis Suárez com o uniforme do Groningen (Foto: site oficial do time)


O FC Groningen é um desses times dos quais todo mundo já ouviu falar, embora nunca tenha sido campeão da 1ª divisão da Holanda (Eredivisie).

Trata-se de um famoso celeiro de craques de futebol, como o goleiro Tonny van Leeuwen (homenageado com uma estátua em frente ao estádio Euroborg), o meia-esquerda Arjen Robben e os irmãos Erwin e Ronald de Koeman.

O clube também é ótimo para encontrar jovens talentos pelo mundo afora. O mais conhecido deles é o atacante uruguaio Luis Suárez, que depois faria história no rival Ajax, no Liverpool, no Barcelona e no Atlético de Madrid. Também merecem menção Virgil van Dijk, Daley Blind, Michael Reiziger e Dusan Tadic.

Entre todos, Robben é de longe o mais amado pela torcida. Ele nasceu e cresceu em Groningen (que é também nome de cidade e província). O time local foi o primeiro em que ele jogou, a poucas semanas de completar 17 anos. A estreia aconteceu no dia 3 de dezembro de 2000, no empate sem gols com o Waalwijk.

Depois de passar pelo Eindhoven (também da Holanda), pelo Chelsea, pelo Real Madrid e pelo Bayern de Munique, Robben voltou a Groningen em 2020 para encerrar a carreira.

Mas, castigado por uma insistente lesão na panturrilha, não demonstrou o brilho de antes. Fez sete jogos, venceu um, deu duas assistências e não marcou gol. Ele chamou a sua última passagem pela equipe como "desapontadora".

Robben em partida pelo Groningen, pouco antes da aposentadoria (Foto: site oficial do time)


O talento do clube para revelar jogadores é tão espantoso que médicos foram a Groningen investigar o fenômeno. O resultado foi publicado em maio de 2021, em uma revista especializada.

Depois de analisar 492 atletas de 13 a 19 anos e fazer 953 medições, apontaram peculiaridades relacionadas ao trabalho dos 'olheiros' e intensidade dos treinos como fatores responsáveis pelo sucesso.

Plano de metas

Em janeiro de 2022, a direção do Groningen divulgou um plano plurianual com metas para se alcançar até 2025, intitulado 'Juntos ao Grote Markt'.

O documento diz que o time "desenvolve os jogadores mais aptos e fortes da Holanda" e que a formação de talentos regionais terá papel preponderante nos próximos três anos. O investimento em medicina do esporte vai continuar. O objetivo é fazer com que pelo menos quatro jogadores criados pela base estejam no time principal após o período.

O Groningen quer se repliquem histórias como a de Erik Nevland e Deyovaisio Zeefuik.

Outro ponto marcante do plano plurianual é a atenção que ele dá aos projetos comunitários. O clube entende que "a inatividade física é um problema sério e proeminente na região" e se compromete a "oferecer futebol nas escolas, nos bairros e nas associações amadoras.

Para jovens e idosos, para meninos e meninas". Em nível econômico, o FC Groningen deseja fortalecer ainda mais sua rede para se tornar a maior e melhor plataforma econômica de conexão no norte da Holanda.

Torcida do Groningen no estádio Euroborg (Foto: site oficial do time)


História

O Groningen só foi fundado em 1971, mas as suas raízes remontam aos anos 1910. Um grupo chamado Unitas se transformou na Groningen Football and Athletes Association (GVAV) nos anos 1950.

Naquela época, a província tinha quatro clubes de futebol profissional. O GVAV ajudou a fundar a Eredivisie, primeira divisão da Holanda. O Oosterparkers teve vida curta, e logo voltou a ser um time amador. Be Quick e Velocitas 1987 integraram o grupo que fundou a Tweede Divisie (3ª divisão).

Em 1963, para salvar o GVAV das dívidas, um triunvirato formado pela direção do clube, pela prefeitura e por uma holding de empresas locais dividiu as ações do time em três partes iguais e cada um investiu 300 mil florins.

Na temporada de 1969-70, acontece o primeiro dos três rebaixamentos do time. Foi quando o presidente da equipe, Harm Brink, pediu a todos os times amadores que cedessem seus melhores jogadores e o time se reergueu.

A recuperação foi incrível. Em 1970, o GVAV volta à primeira divisão e a torcida vê brilhar a estrela do goleiro van Leeuwen, que tomou só sete gols no ano.

Ao término do campeonato, van Leeuwen foi a Roterdã para receber uma homenagem. No caminho de volta, sofreu um acidente e morreu. Um dia antes de o GVAV virar Groningen. Hoje, há uma estátua para ele em frente ao estádio Euroborg.

O segundo rebaixamento aconteceria em 1974, ano em que o esquadrão verde e branco sofreu a sua pior derrota na história: 9 a 0 para o Ajax. Iniciava-se um período penoso para o Groningen na Eerste Divisie, que duraria até a temporada 1979-80, com o retorno à Eredivisie.

No começo dos anos 1980, o clube revelou dois de seus maiores ídolos: os irmãos Erwin e Ronald de Koeman. E foi também nessa década que o time debutou em torneios europeus - sem, contudo, alcançar grandes êxitos - e alcançou a sua primeira final de torneio. Na disputa pelo troféu da copa KNVB, perdeu por 4 a 1 para o PSV.

O torcedor que se enchia de orgulho do time branco e verde em campo decepcionou-se com o presidente do clube, Renze de Vries, condenado e preso em 1989 por peculato e uso de dinheiro público para contratar jogadores.

O terceiro e último rebaixamento aconteceu em 1998, mas o Groningen consegue voltar à Eredivisie já no ano seguinte. A tempo de lançar, na primeira divisão, a sua joia mais cara: o meia Arjen Robben.

Em 2006, com o uruguaio Luisito Suárez no plantel, o time deixa de sediar os seus jogos no Oosterparkstadion - o primeiro estádio do clube - e se muda para o recém-construído Euroborg (22.525 lugares).

Consegue manter-se invicto nos 15 primeiros jogos, o que faz com que o Euroborg ganhe o apelido de "Inferno Verde" ou "Catedral Verde" - o que depende da perspectiva de quem vê.

O primeiro e único título da história do Groningen aconteceu na temporada 2014-15: campeão da copa KNVB com uma vitória por 2 a 0 contra o Zwolle.

O elenco

Seis jogadores brasileiros já vestiram o uniforme verde e branco. Três deles saíram do Flamengo entre 1996 e 1997: o zagueiro Leonardo e os meias Hugo e Magno. Além deles, o goleiro Luciano (que ficou sete anos na equipe), o zagueiro Eric Botteghin e o meio-campista Luizinho.

Entre os três países que mais exportam atletas para o Groningen, uma curiosidade: em terceiro lugar, depois de Suécia (20) e Dinamarca (13), está Curaçao (11), que não tem nenhuma tradição no futebol. Atualmente, os estrangeiros correspondem a 46,2% do plantel de 26 jogadores.

O time todo custa 21,73 milhões de euros. Os mais valiosos são o meia eslováquio Tomas Suslov (2,5 milhões), o meia sueco Daleho Irandust (2 milhões) e o volante holandês Melayro Bogarde (1,5 milhão).

A título de comparação: o atacante brasileiro Vinícius Jr., do Real Madrid, vale 100 milhões.

Os três atletas com mais gols marcados pelo Groningen fazem parte de um passado distante. São os holandeses Peter Houtman, que balançou as redes 110 vezes na década de 1970; o seu contemporâneo Eddy Bakker, que anotou 60 gols em 180 partidas; e Harris Huizingh, que atuou nos anos 80 e fez 58 gols.

Groningen comemora título na Holanda (Foto: site oficial do time)‌ ‌

O quarto maior artilheiro da história do Groningen ainda joga por lá: o atacante Michael de Leeuw, com 57 gols.

A venda de um jogador que mais rendeu receita aos cofres da equipe do norte da Holanda foi a do centroavante Marcus Berg para o Hamburgo (Alemanha), na temporada 2009/10, por 10 milhões de euros. A transferência de Luis Suárez para o Ajax vem logo em seguida (7,5 milhões).

Os reforços mais caros foram Marcus Berg, que jogava no Gotemburgo (Suécia) e custou 4 milhões de euros; o volante nigeriano Femi, que atuava no dinamarquês Midtjylland e foi adquirido por 3,3 milhões em 2009; e Nicklas Pedersen, o centroavante dinamarquês do Nordsjaelland que valia 2,2 milhões.

Compartilhe esse conteudo