O técnico ainda contará com o reforço de Dentinho, que estava sem clube, mas trará bastante experiência europeia para o Vozão

Vitória e dinheiro no bolso

Os 3 a 0 impostos em cima do São Raimundo pela Copa do Brasil no meio de semana deram um respiro para o técnico Tiago Nunes. Ele viu parte da diretoria e da comissão técnica ser mandada embora após a eliminação precoce nas quartas de final do Campeonato Cearense, frente ao Iguatu, nas penalidades máximas.

Mas com força mental e muito trabalho, Nunes conseguiu fazer a sua equipe jogar muita bola em Boa Vista, superando o São Raimundo sem sustos. Já são quase R$3 milhões nos cofres do Vozão. Caso supere o próximo adversário, cerca de R$2 milhões também cairão na conta do clube.

Feliz pela atuação, que lhe dará tranquilidade para trabalhar, Tiago Nunes valorizou a classificação na Copa do Brasil:

Estamos sentindo a dor da eliminação do Cearense. A vitória agora foi consistente, é importante para trazer credibilidade ao grupo novamente. Tivemos uma atuação segura. Não abdicamos de tentar propor. É um jogo por vez”, disse.

Uma das suas decisões mais polêmicas é a insistência com o atacante Cléber. A última vez que ele marcou um gol havia sido em 20 de outubro do ano passado, na derrota do Vozão para o Palmeiras por 2 a 1. Desde então, ele estava há quase 15 partidas sem fazer o torcedor comemorar um gol seu.

Nunes aproveitou também para elogiar o jogador e defendeu a sua escalação baseado no estilo de jogo e nas condições do adversário, além do próprio gramado:

A característica do jogo pedia um jogador de mais estatura, de um pouco mais de movimento, mobilidade, porque a gente sabia que pela condição do gramado não ia ter muita condição de fazer tabelas curtas. Mesmo assim o time tentou jogar, teve boa qualidade de jogo, mas a gente imaginava que ia ser um jogo um pouco mais físico, e por isso a presença do Cléber”.

Cléber fez o segundo gol contra o São Raimundo já na segunda etapa, além de se movimentar bastante, abrindo espaço pelos lados do campo. Sua presença foi fundamental também para ajudar a equipe a fazer as suas jogadas.

Finalizações erradas são o grande empecilho para melhores resultados da equipe treinada por Tiago Nunes


Chegada de Dentinho

O jogador criado nas categorias de base do Corinthians, que depois fez uma longa carreira no Shaktar Donetsk, está de volta aos gramados. Após quase seis meses parado, a sua condição física e o seu ritmo de jogo ainda são incógnitas tanto para os analistas quanto para os torcedores do Ceará.

Dentinho apareceu como um atacante veloz pelos lados, se destacando também nas assistências aos companheiros de ataque. Ele nunca foi um grande goleador, embora algumas vezes tenha até feito hat tricks na carreira, inclusive na prestigiada Champions League.

Contudo, agora aos 33 anos, a velocidade não será a mesma de antes e os gramados onde irá desfilar o seu futebol não terão a mesma qualidade dos gramados europeus. Para muitos, será uma contratação útil, mas ainda sem o perfil finalizador, capaz de decidir partidas a favor do Ceará com os seus gols.

Ele terá de vencer também a concorrência na linha de frente do Vozão. São nove jogadores disputando três posições, ou duas, conforme o esquema tático adotado pelo técnico Tiago Nunes: Speedy Mendoza, Cléber, Zé Roberto, Erick, Jacaré, Gabriel Santos, Jael e Iury Castilho.

Em entrevista coletiva, Nunes elogiou a nova contratação: “Dentinho é um atleta que estava livre no mercado, tem condição atlética boa e um histórico profissional exemplar. É o perfil de jogador que a gente precisa em termos de mentalidade. É um atleta que vem com a condição de melhorar nosso padrão, somar ao que já temos, se encaixa na característica que a gente deseja. A gente torce que ele entenda cada vez mais rápido o que é jogador no Ceará, o grau de exigência”, afirmou o técnico.


Dentinho já treinou com bola e conheceu os companheiros em seu novo clube

O setor de ataque, em que pese a grande quantidade de jogadores, é o que tem mais dado dor de cabeça ao treinador do Ceará. São várias oportunidades perdidas por jogo, o que tem atrapalhado o desenvolvimento de seu trabalho. A torcida gostaria de um nome de peso, para chegar e vestir a camisa 9 sem insegurança.

No entanto, como o clube demitiu o seu executivo de futebol nos últimos dias, esperar por uma contratação bombástica no momento é sonhar acordado.

Compartilhe esse conteudo