No Morumbi, alvinegro não foi páreo mais uma vez; Palmeiras será o adversário do time de Rogério Ceni

No Majestoso do Morumbi, os donos da casa fizeram valer o mando de campo mais uma vez, como tem sido comum no histórico do confronto. Assim, a vantagem de decidir em seu estádio se provou fundamental na semifinal do Campeonato Paulista. O São Paulo bateu o Corinthians por 2 a 1 e repetirá a final do ano passado, contra o Palmeiras.

Num duelo de tabus, pesou a energia e o apoio da torcida. Se por um lado a freguesia tricolor era quase inacreditável neste século (9 classificações corintianas), por outro, o fato de jogar para quase 54 mil torcedores acabou fazendo a diferença.

O lateral são-paulino fez um golaço no Morumbi

Com a vitória, o São Paulo ganhou quase 4 milhões de reais de renda bruta. Para um clube em grave crise financeira, lotar o estádio é um dos principais ativos para tentar diminuir as dívidas. Além disso, a premiação do Paulista é a maior dos estaduais, rivalizando com a do Campeonato Brasileiro (mais de R$33 milhões).

Como foi a partida

São Paulo e Corinthians mediram forças no primeiro tempo. De um lado, a juventude dos donos da casa; de outro, a experiência dos visitantes. No entanto, se Vítor Pereira trouxe novidades na escalação, com Giuliano entrando de titular e Renato Augusto como um "falso 9", ele viu sua equipe sofrer um grande baque ainda antes dos 10 minutos de partida. O lateral direito Fagner saiu lesionado e deu lugar a Robson Bambu. João Vitor foi deslocado para o lado do campo.

A partida estava bastante tensa e nervosa, sem grandes chances claras de gol. Róger Guedes exigiu boa defesa de Jandrei, num chute de longa distância, embora sem tanta força. Assim, quanto mais o tempo passava, mais o tricolor se impunha em campo, muito por conta do dinamismo de seu meio campo. Willian e Paulinho fizeram um jogo abaixo.

Vítor Pereira terá a primeira semana livre para treinar o Timão antes da estreia na Libertadores

Aos 41 minutos, o jovem lateral esquerdo Wellington, que deixou Reinaldo no banco, acertou um chute magnífico cruzado, no ninho da coruja. Cássio não teve chances e a torcida tricolor fez o Morumbi explodir no grito de gol.

A segunda etapa viu um novo Corinthians. O técnico português lançou Gustavo Mosquito e Júnior Moraes nos lugares de Willian e Paulinho, trazendo sangue novo e tentando fazer o seu time demonstrar mais ânimo num campo pesado, por conta da chuva. Só que aos 17 minutos, Alisson ampliou a vantagem. Léo Pelé fez um bom desarme no lado esquerdo do campo e numa trama que envolveu Nestor, Luciano, Igor Gomes e Calleri, o contra-ataque são-paulino funcionou perfeitamente. O ex-gremista só teve de tocar para balançar as redes.

A partir daí, o Timão parecia entregue em campo, irritando sua torcida. Quando tudo parecia decidido, o goleiro Jandrei se embananou com a bola e Jô, que entrara há pouco, aproveitou para roubar a bola e tocar para o gol vazio. Os últimos minutos foram de emoção, cera e confusão. Logo após o juiz apitar o fim da partida, Adson foi expulso, por xingar o árbitro.

Falam os personagens do jogo

O lateral Wellington, que abriu o placar, disse depois de comemorar a classificação para a segunda final seguida de Paulistão: “Excelente partida de toda a equipe. Apesar de ter apenas 21 anos, sempre quando eu entro em campo procuro dar o meu melhor. E ganhar um jogo, ainda mais dessa dimensão, um clássico, poder ajudar minha equipe com o gol, não tem sensação melhor. Essa noite vai ficar marcada na minha história e na minha vida”.

O atacante Jô, que passou uma semana difícil no clube, por conta de ter perdido treinos após comemorar o aniversário no Rio de Janeiro, pediu cabeça erguida à equipe: “Sabemos do jogo que fizemos, um pouco abaixo no primeiro tempo, no segundo conseguimos dar um ritmo melhor. Temos de seguir, porque tem outras competições pela frente".

Polêmica

Agora, o tricolor espera a definição da Federação Paulista de Futebol (FPF) em relação a data e local da segunda partida da final. A primeira será no Morumbi, nesta quarta-feira. O problema com o jogo de volta envolve o Palmeiras e a construtora do Allianz Parque. Por conta de um show do Maroon 5, o alviverde quer antecipar a partida para o sábado, em vez de ser no domingo.

Compartilhe esse conteudo