A partida parecia tranquila para o Azulão no Rei Pelé, mas um descuido permitiu o empate do Papão, que não conseguiu sustentar a igualdade

O CSA começou a partida em cima do Paysandu, pressionando bastante. Logo aos 8 minutos, Gabriel chutou e Elias defendeu. Em seguida, Rodrigo também desperdiçou uma boa chance. O Paysandu só atacou aos 20 minutos, quando Marlon mandou uma bola na trave lá da entrada da área.

Dez minutos depois, Rodrigo, novamente, devolveu a bola na trave, mas quem abriu o placar foi mesmo Werley, depois da cobrança de escanteio. Ainda antes do intervalo, Yann Rolim obrigou Elias a fazer uma defesaça.

A segunda etapa começou com o Paysandu melhor na partida. Danrlei, isolado, perdeu uma chance diante do gol. Antes dos dez minutos, o Papão já conseguia o empate: depois duma boa jogada de Marlon pela extrema esquerda, Daniel completou para o fundo das redes.

Foi então que o técnico Mozart alterou os rumos da partida. Ele sacou Marco Túlio (meia) e Osvaldo (atacante) para colocar Lucas Barcelos e Felipe Augusto. Os novos jogadores deram ânimo novo ao CSA e logo em seguida, num escanteio, o zagueiro Werley fez o segundo.

Da mesma forma que Mozart, Márcio Fernandes também decidiu injetar sangue novo no Paysandu. Héverton rendeu Marcão e Serginho veio no lugar de Ricardinho. Mas nem deu tempo do Papão se ajeitar em campo e Yann Rolim ampliou, fazendo o terceiro do CSA. 8 minutos depois, Lucas Barcelos fez o quarto, decretando a goleada.

A partir daí, o jogo acabou mesmo. O Paysandu ficou completamente tonto com os 3 gols, perdeu o rumo e poderia até ter levado mais gols. Já o CSA nem precisou forçar, levando o fim da partida na maciota.

O técnico do Paysandu, Márcio Fernandes, lamentou muito o segundo gol sofrido, que abriu a porteira para a goleada: "Era o nosso melhor momento na partida, tínhamos tudo para passar na frente do marcador e tomamos um gol. Aquilo ali foi uma ducha de água fria. Até a equipe se equilibrar de novo, tomamos o terceiro gol".

Márcio Fernandes, técnico do Paysandu, volta agora as atenções de seus jogadores para o campeonato estadual


Após a partida, o técnico Mozart não quis os louros da vitória, atribuindo as alterações à diminuição de energia e movimentação dos titulares:

As trocas foram realmente efetivas. E a minha troca foi por questão física e não por questão técnica nem tática. Eu achei que o Osvaldo e o Marco Túlio cansaram e nós precisávamos de força pelo lado, porque eles começaram a conceder espaço pelo lado e começaram a combinar as jogadas ofensivas pelo lado também”.

Com a classificação, o CSA já acumula mais de R$3 milhões em premiações por avançar de fases na Copa do Brasil.

Compartilhe esse conteudo