Criada em 1969, por iniciativa da Prefeitura de São Paulo, a Copa São Paulo de Juniores é hoje a maior vitrine de atletas do futebol nacional, sendo palco para revelação de grandes jogadores de nível mundial como Neymar, Marquinhos e Gabriel Jesus, jogadores que tiveram grande destaque na competição e que hoje são estrelas do futebol internacional.

A ideia inicial da Prefeitura era criar um evento que estimulasse a juventude na prática desportiva, além de comemorar o aniversário da capital paulista no dia 25 de janeiro, data em que até hoje é realizada a decisão do torneio. Desta maneira, a competição iniciou de uma maneira tímida, com apenas quatro clubes disputando a taça, mas esse cenário mudaria nos anos seguintes.

Uma imagem contendo luz, abajur

Descrição gerada automaticamente
A tão cobiçada taça da Copa São Paulo, um dos maiores desejos das equipes de base do futebol nacional (FOTO: Divulgação/FPF)


Mudanças e reformulações na Copa São Paulo

Por ser uma competição local, nos dois primeiros anos somente as equipes de São Paulo disputavam a Copinha, mas a partir de 1971, o torneio passou a receber equipes de todo o Brasil.

Ao longo dos anos, a competição passou por diversas mudanças e reformulações em seu regulamento, com o estabelecimento de regras que definissem e limitassem a participação dos atletas. Por exemplo, a denominação juniores só foi estabelecida em 1981, definindo a categoria dos atletas que tinha até 21 anos de idade.

Outra mudança significativa ocorreu em 1988, quando o então prefeito Jânio Quadros decidiu que a Prefeitura não iria mais arcar com a disputa do torneio.

Desta maneira, a Copinha passou a ser organizado pela Federação Paulista de Futebol (FPF), que tirou a competição somente da capital, levando os jogos também para o interior de São Paulo, além de ter expandido o número de clubes participantes.

Jogador de futebol correndo no campo

Descrição gerada automaticamente
Com apenas 16 anos de idade, Neymar fazia a sua estreia na Copa São Paulo em 2008 (FOTO: Fernando Pilatos/Gazeta Press)


Essa foi justamente uma das mudanças mais significativas na história do certame, que começou na primeira edição com apenas quatro times inscritos, enquanto desde a edição de 2018, o torneio passou a contar com 128 equipes na disputa através de uma competição dividida em sete fases, onde somente um clube fica com a taça.

Recordes da Copa São Paulo

Esse número de equipes participantes é o mesmo nos dias atuais, fazendo do torneio um dos maiores na história das competições nacionais, já que além dos 128 times participantes, a disputa se divide também em mais de 30 cidades, contando com mais de três mil jogadores registrados a cada edição.

Num curto intervalo de pouco mais de 20 dias, a Copinha promove 255 confrontos, com uma média de mais de 700 gols marcados por torneio, um número relevante se tratando de competições de base do futebol.

Desta maneira, a Copa São Paulo se tornou um torneio muito visado pela imprensa, empresários e clubes, já que é considerada como a melhor oportunidade para que jovens atletas iniciem a sua carreira no futebol profissional.

A partir de 1993, a FPF convidou equipes estrangeiras para participarem da disputa, dando oportunidade para que o torneio se tornasse mais atraente e para que as equipes de base desses times estrangeiros tivessem a chance de disputar um torneio em alto nível.

Clubes como Boca Juniors, Peñarol e Cerro Porteño, da América do Sul, são alguns dos grandes times locais que já disputaram a Copinha. Contudo, o torneio já atravessou diversas fronteiras, tendo recebido nessa mesma época equipes japonesas, além das seleções de base da China e do Japão.

Ainda nos anos 1990, a FPF tentou dar liga a uma nova competição de base, a Supercopa São Paulo Juniores, onde jogavam os 16 times que haviam sido campeões e vices da Copinha até então.

Na primeira edição, em 1994, o Atlético-MG bateu o Internacional na final e conquistou a primeira taça da nova disputa. Já no ano seguinte, foi a vez do Palmeiras vencer o São Paulo, naquele jogo que ficou marcado pela briga generalizada entre as torcidas das duas equipes.

Com isso, o torneio foi descontinuado e desde então a FPF se dedicou somente à Copinha nos torneios de base.

Jogador de futebol no campo

Descrição gerada automaticamente
Outro grande destaque da Copa São Paulo é Dener, campeão em 1991 com a Portuguesa. Apesar de ser um dos atletas mais promissores dos anos noventa, ele foi vítima de um acidente em 1994 que o vitimou (FOTO: Reprodução/Portuguesa)


Na última década, a competição passou por novas reformulações.

Em 2010, o torneio admitia somente as equipes formadas por atletas com até 18 anos de idade. Contudo, três anos depois, ela volta a ser disputada na categoria sub-20 e a partir de 2021 a competição passa a aceitar somente até três atletas que completem 21 anos na temporada de disputa por equipe.

A maioria dos times pequenos que disputam a Copinha costumam sofrer severas goleadas, mas algumas equipes chegam a surpreender os grandes e tradicionais times, até mesmo com a conquista de títulos.

Um exemplo disso ocorreu em 2001, quando o Roma Barueri, longe de qualquer prognóstico, acabou ficando a taça. Já em 2003, o azarão foi o Santo André, que bateu equipes tradicionais como o Botafogo, Cruzeiro e Vasco, até chegar na final, onde desbancou o Palmeiras por seu primeiro, e até o momento único, caneco da Copa São Paulo.

Além disso, diversas equipes consideradas grandes no futebol profissional nunca levantaram a taça da Copinha ou sequer chegaram à final. Dos times tradicionais, o Grêmio é um que não conquistou o torneio, participando apenas de uma final em 1991.

A mesma situação ocorreu com o Athletico Paranaense, Bahia e Botafogo, que chegaram às finais respectivamente em 2009, 2011 e 1971, mas nunca levantaram a taça. Já outros times tradicionais, como o Sport e o Coritiba nunca chegaram nem à final, mesmo que já tenham desempenhado boas campanhas em outras competições de base.

Abaixo, você confere a lista com os maiores vencedores da competição, além dos respectivos anos em que conquistaram as taças.

Uma imagem contendo pessoa, ao ar livre, grupo, frente

Descrição gerada automaticamente
Na última edição, realizada em 2022, o Palmeiras conquistou o título, sagrando-se campeão pela primeira vez no torneio (FOTO: Marcello Zambrana/Estadão)


Maiores campeões da Copa São Paulo

Grupo de pessoas posando para foto perto de basquete

Descrição gerada automaticamente
Com dez títulos conquistados, Corinthians é o maior vencedor da Copa São Paulo. Última conquista ocorreu em 2017 (FOTO: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians)


- Corinthians: 10 títulos (1969, 1970, 1995, 1999, 2004, 2005, 2009, 2012, 2015 e 2017)

- Fluminense: 5 títulos (1971, 1973, 1977, 1986 e 1989)

- Internacional: 5 títulos (1974, 1978, 1980, 1998 e 2020)

- São Paulo: 4 títulos (1993, 2000, 2010 e 2019)

- Flamengo: 4 títulos (1990, 2011, 2016 e 2018)

- Santos: 3 títulos (1984, 2013 e 2014)

- Atlético-MG: 3 títulos (1975, 1976 e 1983)

- Ponte Preta: 2 títulos (1981 e 1982)

- Nacional-SP: 2 títulos (1972 e 1988)

- Portuguesa: 2 títulos (1991 e 2002)

- Juventus: 1 título (1985)

- Palmeiras: 1 título (2022)

- Cruzeiro: 1 título (2007)

- Vasco da Gama: 1 título (1992)

- Guarani: 1 título (1994)

- América de Rio Preto: 1 título (2006)

- Marília: 1 título (1979)

- América-MG: 1 título (1996)

- Paulista: 1 título (1997)

- Roma Barueri: 1 título (2001)

- Santo André: 1 título (2003)

- Figueirense: 1 título (2008)

Compartilhe esse conteudo