Avispa Fukuoka é um clube de futebol profissional japonês sediado em Hakata na cidade de Hakata. Atualmente, joga na primeira divisão da J-League, a J1. Antes de 1994, quando mudaram para Avispa Fukuoka, eram os Fujieda Blux, e sua sede era em Fujieda, Shizuoka.

De acordo com o clube, a escolha do nome pode ser interpretada de duas maneiras. A primeira faz referência à palavra em latim avis, no sentido de aves ou pássaros. Avispa também significa vespa ou abelha, que deu origem ao mascote da equipe. Nas duas interpretações, o nome significa leveza, liberdade, agilidade e formação de uma comunidade unida como uma colônia ou uma revoada.

Escudo do time. (Foto: Wikipédia).

A equipe foi fundada por trabalhadores da empresa de segurança Chuo Bohan, na cidade de Fujieda, em 1982. Só adotaram o nome Fujieda Blux quando a equipe se profissionalizou para competir em grandes ligas. Apesar disso, a equipe amadora Chuo Bohan existiu na cidade até 2006.

A mudança de sede veio por uma questão técnica. Shizuoka apresentava dificuldades na concretização do estádio que cumprisse os requisitos para a J-League, a principal liga de futebol profissional do Japão.

O local também já tinha torcida para times da região, sem abertura para a criação de um público fiel ao time. Em 1994, mudaram para Fukuoka conquistando torcedores e construindo seu estádio, onde manda os jogos da J-League.

A primeira temporada na nova cidade, em 1995, contou com Hugo Maradona no elenco. O irmão mais novo de Diego ajudou o time a ser promovido para a J-League nessa mesma campanha.

Na primeira divisão do campeonato, o time terminou em 15º em 1996 e em último nas temporadas de 1997 e 1998. Neste último ano, por pouco a equipe não foi rebaixada. 1998 foi o primeiro ano da J-League que houve a possibilidade de rebaixamento, já que a segunda divisão da competição foi inaugurada em 1999.

Best Denki Stadium, anteriormente chamado de Level5 Stadium, é a casa do Avispa Fukuoka. (Foto: Sygic Travel)

A equipe contratou jogadores de peso, como Nobuyuki Kojima e Yasutoshi Miura, e no ano seguinte, David Bisconti e Pavel Badea. O resultado foi um recorde do clube, o 6º lugar na segunda fase da J-League.

Em 2001, não conseguiram fugir do rebaixamento, após terminar o campeonato em 15º e somente em 2005 conseguiram voltar ao J1. Durante esse período, a comissão técnica dispensou os jogadores mais jovens, formando uma equipe experiente, mas o que classificou novamente o time foi formar os jovens de escolas locais.

O investimento nas categorias de base deu resultados, trazendo a classificação. No entanto, já em 2006, fizeram uma campanha de sofrimento para os torcedores do clube, terminando em 16º. Essas constantes temporadas na segunda divisão trouxeram uma grave crise financeira.

Só retornaram à J1 após a temporada de 2010, que iniciou de forma lenta para o clube, mas depois deu uma guinada dramática. Sua subida meteórica na tabela garantiu sua promoção.

Sua temporada na primeira divisão foi de grandes mudanças na escalação. Nos primeiros 13 jogos da campanha, não marcaram nenhum gol. O técnico Tetsuya Asano substituiu Shinoda, mas a equipe foi novamente rebaixada.

Em 2013, ainda na J2, o clube voltou a contratar um técnico estrangeiro, o esloveno Marijan Pusnik. Ele buscou focar em jogadores mais jovens, promessas para o time e obteve bons resultados. Infelizmente, a crise financeira fora de campo influenciou os resultados e o clube teve uma queda no rendimento.

Ao final da temporada, no entanto, o clube conseguiu pagar a dívida e Marijan Pusnik permaneceu no clube por mais um ano. Em 2014, o time terminou em 16º lugar e o contrato do técnico não foi renovado.

A campanha de 2015 encheu os torcedores de esperança de uma promoção à primeira divisão. Com o novo técnico Masami Ilhara, o clube terminou em 3º lugar, conseguindo chegar à J1 após vencer os jogos de promoção.

Infelizmente, não se consolidaram na primeira divisão. Fizeram somente uma campanha na J1 e foram rebaixados após terminarem o campeonato na 18ª colocação.

Douglas Grolli e Bruno Mendes, em vitória do Avispa Fukuoka sobre o Shonan Bellmare. (Foto: ge.globo.com)

Em 2017, o Avispa terminou em quarto lugar, mas nos jogos de promoção empatou com o Nagoya Grampus e ficou com a terceira colocação. O time então não pode subir para a J1.

No ano seguinte, em 2018, Masami Ilhara no comando do time, fez com que a equipe chegasse em 7º lugar, mas sem subir para a J1.

Na nova temporada, o técnico italiano Fabio Pecchia assinou com o clube, mas no meio da temporada deixou a equipe alegando problemas pessoais. Kiyokazu Kudo assumiu a equipe até o final da campanha, mas o time ficou na 16ª posição.

A nova contratação para comandar a equipe permanece até hoje. Foi Shigetoshi Hasebe, que trouxe grandes vitórias e a promoção para a primeira divisão ao final da temporada de 2020. Em decorrência da pandemia de COVID-19, a temporada de 2020 não rebaixou nenhum clube. Em 2021, concorreram ao título da J-League 20 times.

Neste ano, concorrendo com os tradicionais times da primeira divisão, Avispa fez uma ótima campanha, terminando em 8º lugar. Permaneceram na J1 para 2022, ainda sob o comando de Masami Ilhara.

Os torcedores curtem a boa fase do time, que tem tido resultados positivos, se mantendo no meio da tabela. No último dia 3 de maio, golearam o FC Tokyo com o placar final de 5 a 1.

Para acompanhar as próximas partidas do Avispa Fukuoka e outros clubes da J-League, fique ligado no Bets!

O brasileiro Cauê Silva atua como meia no time desde 2021. (Foto: Istoé)

Compartilhe esse conteudo